A tecnologia e os relacionamentos

tecnologia-relacionamentos960

Sabe-se que, diante das diferenças naturais do ser humano, dificilmente dentro de um ambiente organizacional, a resposta quanto à mudança será homogênea e instantânea.

Com tecnologia da informação, se estudarmos os projetos com atenção, com um mapa mental bem analisado, nos diversos campos dos relacionamentos de, 1.1,1.n,n.n,n.1, etc., vemos que sincronizamos e temos sucesso imediato. A tecnologia é fácil para sincronizar e fazer ela render bem, mas os usuários….

Quando os indivíduos se comunicam bem, e o gostam de fazer, diz-se que há um bom relacionamento entre as partes.

Quando os indivíduos se tratam mal, e pelo menos um deles não gosta de entrar em contato com os restantes, diz-se que há um mau relacionamento.

Parceria é o trabalho em conjunto que as pessoas fazem para alcançar um objetivo comum.

Para haver parceria entre os indivíduos, quase sempre eles devem possuir harmonia de interesses ou seja, alguém sempre vai ter que ceder (perder) em alguma vantagem para manter a cooperação funcionando, como se fala, “perder para ganhar”.

De acordo com as moralidades todas as pessoas que estiverem se encontrando propositalmente ou acidentalmente devem, no mínimo, se respeitarem, ou seja, tratar uma à outra com  educação, e se não puder ajudar o próximo, não o atrapalhe. Sabemos que a vida não é um “mar de rosas”, e o problema é que essas regras morais não são exatas e podem ser burladas com certa facilidade pelos temperamentos e personalidades, ou quando um indivíduo se sente prejudicado e inferiorizado. Assim,  há um início de problema de relacionamento entre as partes.

Há ocasiões em que pessoas tentam entrar em harmonia de interesses com a autoridade, com a finalidade de iniciar uma parceria e tirar proveito do grau de poder do parceiro, e se uma das partes sempre for submissa isso pode ser uma frequente.

Para ser uma autoridade, o indivíduo não precisa necessariamente ter o consentimento dos outros (apesar de que este é um fator que ajuda), ele precisa apenas de ter o direito de, pelas regras sociais, assumir determinado poder, lembrando ainda dos ditadores, que se não forem feitas as suas vontades, azo livre….

Já a liderança não é imposta, mas, conquistada. O grupo consente em dar autoridade para um indivíduo, mesmo que informalmente. O bom líder é aquele que é proativo e que consegue influenciar sem imposição, mas sim, pelo seu serviço e ideais, o seu exemplo é uma referência. Quando um indivíduo não é uma autoridade formal, mas informalmente exerce o poder, costuma-se dizer que ele ainda assim assume a liderança.

Mesmo com a participação dos colaboradores no planejamento de uma tecnologia da informação a ser implantada, ainda sim, a organização enfrentará rejeições. Para lidar com isso da melhor maneira possível, ela deve aliar-se as opiniões favoráveis, fazendo com que estes usuários sejam instruídos a exaltarem todas as vantagens deste novo sistema. Conversar as desvantagens também para lapidar e escolher as ferramentas tecnológicas mais eficazes para os trabalhos. Após a implantação da nova tecnologia, os funcionários já têm a visão de que não se pode mais voltar atrás, chegando neste estágio com duas opções: aceitar o novo apaticamente, não colaborando em nada para a melhora e sucesso do mesmo, ou aceitar favoravelmente, induzindo os outros usuários a acolherem o novo sistema.

O ideal esperado pelas empresas é que após a implantação de uma nova tecnologia da informação, os usuários passem a colaborar ativamente dentro da organização para que tudo tenha um bom resultado. Porém, a colaboração de todos vem com o tempo, fazendo necessário o acompanhamento não somente antes e durante a inserção de um novo sistema, mas também após, pois, mesmo o usuário sendo a favor da nova tecnologia implantada, se ela não proporcionar a satisfação de suas necessidades, possivelmente gerará a aceitação apática ou frustrada do colaborador, que com o passar do tempo acabará influenciando toda a empresa, fazendo com que o investimento despedido seja apenas custo para a organização.

Na vida, empresa, educação, tecnologia e nos relacionamentos podemos fazer a analogia da computação, tudo tem uma entrada, um processamento e uma saída. Aquilo que escolhermos certamente pode acontecer. Até a próxima.

Author Description

Denis Ekermann

Formado em Cursos Tecnólogos nas áreas de Telecomunicação e Computação , está graduando em Licenciatura em Computação pelo IFBA-BA. Experiência profissional na Oi, GVT, Embratel , Claro, Honda Motors . Atualmente representa e gerencia projetos Cloud Computing através da Empresa QiNetwork, autorizada Google Apps for Business no Estado da Bahia, realizando vendas, suportes e treinamentos para as soluções. Representa também a Empresa App Mobile, vendendo e desenvolvendo aplicações com diversas funcionalidades e interatividade para Marketing Mobile de diversos segmentos , em HTML5 e nos Sistemas Operacionais Aindroid e iOS.

Nenhum comentário ainda.

Join the Conversation